Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Mostrando itens por marcador: ciencia cidada Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Mostrando itens por marcador: preprints
Início do conteúdo da página

O artigo “Data Geovisualization and Open and Citizen Science - the LindaGeo Platform Prototype” (em português "Geovisualização de dados e ciência aberta e cidadã - a experiência da Plataforma LindaGeo") acaba de ser disponibilizado pelo periódico DHQ: Digital Humanities Quarterly.

São autores do artigo a pesquisadora Sarita Albagli, professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - desenvolvido em parceria entre o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Hesley Py, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); e Allan Yu Iwama, da Universidad de Los Lagos - Centro de Estudios del Desarrollo Regional y Políticas Públicas (CEDER).

O artigo propõe uma discussão sobre as possibilidades e os limites das novas infraestruturas de geovisualização de dados e informações como plataformas de ciência cidadã e cartografia social para o compartilhamento e a coprodução de conhecimentos. O trabalho discute particularmente o uso dessas infraestruturas e metodologias participativas para instrumentação da intervenção social sobre o ordenamento e o desenvolvimento territorial.

Ao longo do texto, os autores conduzem uma resenha crítica das principais definições, conceitos-chave e questões em debate sobre o tema, e apresentam reflexões derivadas dos resultados do desenvolvimento de um protótipo de plataforma de dados abertos geoespaciais, envolvendo a participação de diferentes grupos sociais locais, como parte de uma pesquisa-ação de ciência aberta realizada no município de Ubatuba, no litoral norte do estado de São Paulo.

O artigo está disponível em português e em inglês, no seguinte link: http://digitalhumanities.org/dhq/vol/14/2/000452/000452.html


Patrícia Osandón
Núcleo de Comunicação Social do Ibict
Com informações do artigo “Data Geovisualization and Open and Citizen Science - the LindaGeo Platform Prototype”

Publicado em Notícias

No programa “Bate-papo Ciência e Tecnologia do Dia a Dia” de 16 de junho, o ministro Marcos Pontes anunciou a atividade Caça Asteroide, promovida numa parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o International Astronomical Search Collaboration (IASC/NASA), com apoio do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), por meio do Canal Ciência.  

O objetivo da atividade, divulgada no portal Ciência em Casa MCTI, era selecionar equipes para a missão de encontrar asteroides a partir de imagens captadas por telescópios que seriam distribuídas aos participantes por meio do software Astrometrica, do IASC.

A iniciativa obteve tanto sucesso, que recebeu 477 equipes inscritas. Desse total, 20 foram selecionadas, incluindo uma dos Estados Unidos, para o treinamento realizado na última sexta-feira, dia 26, pela professora e coordenadora-geral de Popularização da Ciência no MCTI, Silvana Copceski Stoinski.

De acordo com Silvana, o processo tem sido exitoso. “As equipes estão se saindo muito bem e todos estão ativos, compartilhando cada experiência e cada asteroide encontrado”, comemora a coordenadora.

Silvana participa das campanhas de pesquisa de asteroides do IASC com seus alunos, no município de Tangara da Serra (MT), desde 2017. No treinamento, ela explicou todo o processo da atividade, incluindo um passo-a-passo de como utilizar o Astrometrica, que serve como base para a busca de imagens captadas por telescópios e é essencial na descoberta dos asteroides.

O evento teve ainda a participação do astrônomo Patrick Miller, coordenador do IASC, que falou sobre a importância da descoberta de asteroides, sobretudo os mais próximos da Terra, entre Marte e Júpiter. “O IASC é um projeto que procura por estes asteroides que podem atingir o planeta, como aconteceu há 65 milhões de anos, destruindo os dinossauros”.

Reconhecido como um programa internacional de Ciência Cidadã, o IASC existe desde outubro de 2006. Foi fundado na Hardin-Simmons University (Texas/EUA) com apenas cinco escolas participantes e, atualmente, agrega mais de 2.200 escolas espalhadas por 80 países, reunindo pesquisadores e estudantes interessados em astronomia, desde o ensino médio até a universidade.

As turmas têm até o dia 10 de julho para concluírem a primeira fase de análise das imagens e envio ao IASC. Devido ao alto índice de inscrições, Silvana comenta a possibilidade de abrir um novo processo seletivo. “Faremos o possível para atender a todas as equipes”, finaliza.

Lucas Guedes
Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias
Fim do conteúdo da página