Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > A COVID-19 e o Setor de Bibliotecas em Termos Mundiais
Início do conteúdo da página

O Ministério Público do Acre (MPAC) publicou o Anuário da Gestão de Resíduos no estado do Acre, que conta com a descrição de ações, resultados e avanços obtidos em 2019 no âmbito do projeto Cidades Saneadas.

Entre os destaques do ano, o documento apresenta a Oficina Amazônia Legal sem Resíduo, executada pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e financiada pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa), vinculada ao Ministério da Saúde.

O evento aconteceu em julho de 2019, em Rio Branco. Participaram gestores de meio ambiente de 13 municípios, além de instituições públicas, ONGs, universidades e membros da sociedade civil, que discutiram as diferentes perspectivas para a gestão de resíduos sólidos nos mais diversos contextos.

Na publicação é possível ter acesso às conclusões da equipe de pesquisadores do Ibict, que apresentam questões sobre a minimização de geração de resíduos e uso de tecnologias nesta área e a necessidade da criação de políticas públicas para conscientização e envolvimento da sociedade na gestão dos resíduos sólidos, entre outros.

Em reunião realizada no mês passado entre o Ibict e o MPAC, a coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultural, Habitação e Urbanismo (CAOP-MAPHU) e procuradora de Justiça Rita de Cássia Nogueira Lima relatou que “a iniciativa do Ibict vem ajudar e complementar o nosso projeto Cidades Saneadas, o qual já apresentou muitos resultados positivos, melhorando em muito os cenários das nossas cidades, com uma sensível diminuição da degradação ambiental, com reflexo direito na saúde das pessoas”.

O Anuário apresenta ainda os desafios para este ano, como a captação de recursos para que os municípios iniciem a construção de seus aterros sanitários e a conclusão do Sistema on-line do Projeto Cidades Saneadas como importante ferramenta para acompanhamento e controle das ações desenvolvidas pelas prefeituras na gestão dos resíduos.

Lucas Guedes
Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias

O Banco Nacional de Inventários do Ciclo de Vida de Produtos Brasileiros (SICV Brasil) vai receber quase 200 novos inventários (ICVs) do setor agrícola, construção civil, hotelaria e energia produzidos no âmbito do projeto Sustainable Recycling Industries (SRI).

O projeto foi financiado pelo governo suíço e o componente específico para ICVs foi coordenado pela ecoinvent, por isso, um rigoroso trabalho de pesquisa para a conversão segura dos formatos (ecospold >>> ILCD) tem sido desenvolvido.

Esse trabalho é uma parceria do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), que desenvolveu um conversor de inventários que será incorporado ao importador do SICV Brasil.

Thiago Rodrigues, especialista em Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), explica que o conversor é um dos resultados do projeto Rota Estratégica de Base de Dados Nacionais de ACV, executado pela UTFPR e pelo Ibict, supervisionado pela ecoinvent, implementado pela ONU Meio Ambiente e financiado pela Comunidade Europeia.

Para testar a ferramenta, 115 inventários da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) já foram convertidos e 45 do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, vinculado à USP, estão no processo de conversão.

No momento, especialistas da Embrapa estão checando os resultados da conversão. “O processo tem sido exitoso e os inventários convertidos são funcionais, mas ainda há pequenos ajustes a serem feitos. A expectativa é que na ocasião do Congresso Brasileiro de Gestão do Ciclo de Vida (GCV 2020), que acontece em outubro, o SICV já tenha esses inventários inseridos e disponibilizados gratuitamente para a sociedade”, completa Thiago.

O SICV Brasil é um banco de dados criado pelo Ibict para abrigar Inventários do Ciclo de Vida (ICVs) de produtos nacionais. O sistema é um gerenciador de bases de dados que visa um conjunto consolidado dos inventários brasileiros, o que implica diretamente no aumento da competitividade da indústria nacional vinculado a um melhor desempenho ambiental de produtos e serviços.

O banco de inventários centraliza as informações de ICVs, possibilitando a diferentes usuários de diversos setores como governo, indústria e academia, manterem seus inventários dentro de um mesmo vinculo chamado de “nó”. Esses vínculos se conectam formando uma rede de dados de ACV, baseada em uma estrutura de informações mundialmente integrada.

Para saber mais sobre o SICV Brasil, clique aqui.

Lucas Guedes
Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias

Entre os dias 22 e 24 de julho de 2020, será realizado o eDOC Online Engenharia, o primeiro evento no Brasil que o seguimento de Gestão da Informação fará sobre o assunto.

Com o tema Engenharia & Gestão da Informação no cenário da Transformação Digital & Cases Paperless, o evento vai reunir os melhores especialistas da área para discutir as principais tendências, perspectivas e aplicações da transformação digital na Gestão da Informação e documentação em projetos da Engenharia 4.0.

O eDOC será realizado em três dias, divididos em painéis temáticos com os assuntos mais atuais da área, contando com debates, mesas-redondas, exposições individuais e em grupo em um espaço virtual para interações e questionamentos do público para cada apresentação.

Entre os palestrantes confirmados está Thiago Rodrigues, engenheiro florestal e pesquisador do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), que vai falar sobre a Gestão da informação tecnológica para sustentabilidade e quais são as perspectivas da Engenharia 4.0 e Sociedade 5.0.

Para Thiago, a sustentabilidade é a condição para a manutenção tanto de indivíduos quanto de sociedades, de microempresas a conglomerados empresariais, de córregos a oceanos. “Trata-se de um equilíbrio dinâmico entre várias dimensões, sendo as mais conhecidas a ambiental, a social e a econômica. Cada uma delas, por sua vez, se amparam em muitíssimos indicadores que vão conjuntamente chancelar o grau ou nível de sustentabilidade de cada uma”.

O especialista analisa que o século XXI é o auge da sociedade da informação, momento em que os dados são “novo petróleo" e fomentam a quarta revolução industrial e a Engenharia 4.0 é um dos pilares dessa revolução, uma engenharia fundamentada em compartilhamento de dados em qualquer etapa do processo produtivo.

O termo Engenharia 4.0 surge quase que simultaneamente ao da Indústria 4.0, a partir do desenvolvimento de novas tecnologias de produção que surgiram após as três revoluções industriais caracterizadas principalmente pelos avanços das áreas de mecânica (1780), elétrica (1870) e automação (1969). Neste sentido, a indústria 4.0 (2000+) tem como base enfoques na internet das coisas, em segurança, em big data analytics e em inteligência artificial, por exemplo.

Fazem parte da Engenharia 4.0, segundo informações da Faculdade de Rondônia, os aplicativos que ajudam a listar e organizar rotinas de trabalho; softwares e plataformas que contribuem para o planejamento e a gestão de projetos; programas de desenho técnico e construção de modelos 3D e robôs que auxiliam o trabalho nas linhas de produção.

Entretanto, o pesquisador alerta que não estamos ainda, a rigor, na sociedade 4.0 ou na sociedade da informação, uma vez que há milhões de excluídos, sem acesso aos equipamentos para se incluir pela internet. “Não podemos falar em sociedades avançadas enquanto tivermos tantos à margem. A inclusão de todxs é condição para a sustentabilidade, o ‘novo petróleo’ deve ser de todxs”. Daí a importância de discutir estes temas no âmbito da sustentabilidade e da engenharia.

Além da apresentação de projetos temáticos e cases de empresas públicas e privadas que abordam a relação entre Informação e Engenharia, serão discutidos temas como Digital Governament: soluções práticas para um governo digital em projetos de Engenharia; Gestão e fluxo da Informação na Engenharia: ambientes, ações, processos e ferramentas colaborativas; e Ambiente Paperless: como conviver com a gestão híbrida na Engenharia e avançar?

O evento é 100% online e gratuito. A programação completa pode ser acessada aqui e as inscrições já podem ser realizadas neste link.

Lucas Guedes
Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias

O setor produtivo brasileiro tem enfrentado uma série de consequências com a pandemia do novo coronavírus e vivenciado grandes impactos econômicos na indústria, no comércio e nos serviços de pequeno, médio e grande porte.

Com as restrições de circulação da população e a paralização temporária de alguns serviços, como forma de prevenção e combate ao vírus, os microempreendedores tendem a ser bastante afetados em decorrência da diminuição das vendas.

Desde 2004, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), com apoio do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), mantém o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, o SBRT, um sistema gratuito de informação tecnológica que tem a missão de orientar na solução de problemas em produtos, sobretudo de pequenos negócios. O serviço conta ainda com a parceria do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Em novembro de 2019, na comemoração dos 15 anos do SBRT, o ministro Marcos Pontes destacou a importância do serviço. “A real finalidade de um ministério como o MCTIC é reduzir o gap entre produção de conhecimento e produção de inovação”, disse no evento, que contou com a presença de representantes das instituições parceiras e de empresários beneficiados pelo programa.

Durante a pandemia, o serviço tem sido uma fonte essencial de pesquisa para microempreendedores que querem começar um novo negócio, que precisam melhorar seus processos de produção ou desenvolver novos produtos. Por meio do serviço, podem contar com soluções personalizadas para resolver problemas de tecnologia de baixa complexidade em diversas áreas de atuação.

Para Marcel Garcia de Souza, coordenador de Tecnologias Aplicadas a Novos Produtos do Ibict (COTEA), o SBRT vai ajudar pessoas que necessitam se reinventar e buscar novas fontes de renda em meio à crise. “O SBRT é uma ferramenta poderosa no período da pandemia e vai ajudar pessoas que ficaram desempregadas, que queiram se aprofundar mais em seus negócios ou até mesmo iniciar um novo projeto”, explica.

Segundo o coordenador, houve um aumento significativo das pesquisas no site em relação ao mesmo período do ano passado e já há, inclusive, questões relacionadas diretamente à pandemia. Como exemplo, há uma resposta técnica publicada recentemente, que apresenta informações sobre os materiais de fabricação de máscaras de proteção ao COVID-19 por meio de impressoras 3D. Com uma introdução ao tema, seguida de recomendações, o documento apresenta dados científicos e referenciados, que proporcionam ao usuário toda a base necessária para a realização do procedimento requisitado.

Há ainda soluções para questões relacionadas à fabricação de álcool gel 70%, de respiradores mecânicos e ventiladores pulmonares até melhores formas de higienização de roupas em durante a pandemia. As respostas são personalizadas na forma de documentos técnicos que ficam armazenados na base de conteúdos hospedada pelo Ibict.

Para acessar as respostas mais recentes, clique aqui.

Como funciona o SBRT

No intuito de atender as demandas de empreendedores que necessitam de informações técnicas para a melhoria de seus produtos e processos, o SBRT possui um banco de dados com quase 34 mil respostas e dossiês técnicos, resultado de cerca de 66 mil perguntas realizadas pelos usuários da plataforma com mais de um milhão de acessos diretos aos seus conteúdos desde a sua criação.

Para elaborar as repostas técnicas, fazem parte da rede: Agência USP de Inovação – Universidade de São Paulo (AUSPIN), Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Instituto Euvaldo Lodi da Bahia (IEL/BA), Instituto Euvaldo Lodi de Minas Gerais (IEL/MG), Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Rede de Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro (Redetec), Sistema Integrado de Respostas Técnicas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (SIRT/UNESP), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial/Departamento Regional do Amazonas (Senai/AM) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial/Departamento Regional do Rio Grande do Sul (SENAI-RS).

Quem se interessar em enviar uma questão, basta realizar um cadastro no site do SBRT e preencher os campos solicitados. Antes de realizar a solicitação, recomenda-se fazer uma busca para consultar o banco de Informação e verificar se já não existe uma resposta. Caso não encontre, deve-se escolher a opção “Fazer Nova Solicitação”, que será encaminhada automaticamente à instituição integrante da rede mais próxima de você e respondida por especialistas.

O sistema envia, então, um link da resposta para o endereço de e-mail informado no cadastro com a solução personalizada, que será publicada na base de dados do sistema de informação SBRT (sem identificação do autor da pergunta) para divulgação e livre utilização por outros empreendedores ou microempresários que estejam passando pela mesma necessidade tecnológica. O prazo para a resposta é de 8 dias.

Lucas Guedes
Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias
Fim do conteúdo da página