Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Portal oasisbr: fonte de informação científica sobre o coronavírus
Início do conteúdo da página

Sob o lema "Ciência Aberta é Vida", o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) acaba de lançar o Diretório de Fontes de Informação Científica de Livre Acesso sobre o Coronavírus. O diretório tem o objetivo de reunir as fontes de informações científicas em acesso aberto, tanto nacionais como internacionais, que disponibilizam conteúdos sobre o coronavírus e a COVID-19. O serviço está inserido dentro dos princípios do Ibict de uma atuação comprometida e disseminadora da Ciência Aberta no Brasil.

O diretório disponibiliza artigos científicos já publicados e também pré-prints (em português pré-publicações), ou seja, um manuscrito de um artigo científico que ainda não foi publicado em uma revista científica. Além disso, o diretório reúne dados de pesquisa, ensaios clínicos, teses, dissertações, relatórios e evidências e outros materiais referentes à produção dos pesquisadores de todo o mundo. A navegação no diretório é feita a partir dos diferentes tipos de fontes levantadas.

Como explica Bianca Amaro, coordenadora-geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Ibict (CGPC), “as ciências nacionais e internacionais têm se unido na disseminação de informações relacionadas à COVID-19, e muitos periódicos, antes com acesso fechado, têm aberto seus sistemas para a troca de informações a respeito. Muitas dessas bases de dados, notadamente em sua grande maioria internacionais, são de propriedade de grandes editoras comerciais, que cobram altos valores pelo seu acesso”.

“O mundo científico está se unindo para encontrar uma solução para a pandemia e, por isso, o acesso e a troca de informações científicas são cruciais. Ao estar em constante prospecção e identificação de fontes científicas em acesso aberto e reuni-las em um diretório, o Ibict facilita aos pesquisadores a busca e ao acesso do que os pesquisadores de todo o mundo estão descobrindo em relação ao tema”, afirma Bianca Amaro.

A coordenadora acrescenta que os pesquisadores geralmente precisam procurar em vários locais as informações que precisam e que, nesse sentido, o diretório concentrará tudo em apenas um local e com acesso aberto. “Ganha-se tempo e vale considerar que tempo é algo precioso para salvar vidas. Além disso, dessa forma, o Ibict demonstra que continua sendo uma instituição promotora do acesso aberto à informação científica no Brasil”, pontua Bianca Amaro.

Bianca Amaro reforça também que a Ciência Aberta evidencia a sua importância em contextos como a pandemia da COVID-19. “Essa crise é a prova de que o conhecimento científico tem que ser, sempre, amplamente disseminado. Esperamos que a pandemia faça o mundo compreender que a ciência é um bem comum, que não pode ter barreiras comerciais de acesso. Os cientistas devem ter ao seu dispor toda informação, fruto de pesquisas já realizadas pelos seus pares”, finaliza.

A partir do princípio de que o diretório é um trabalho colaborativo de identificação e acesso a fontes de informação, o Ibict convida a todos para participarem indicando fontes que, por ventura, ainda não estejam listadas. A indicação de novas fontes pode ser feita por meio do e-mail: diretoriodefontes@ibict.br.

Acesse o Diretório de Fontes de Informação Científica de Livre Acesso sobre o Coronavírus: http://diretoriodefontes.ibict.br/coronavirus.

Sobre Ciência Aberta

A Ciência Aberta é uma prática científica que visa uma transformação no modus operandi da pesquisa científica. Ela pressupõe a abertura de todo o processo científico, que deve ser feito de modo transparente e colaborativo. A Ciência Aberta inclui o compartilhamento dos dados de pesquisa, das publicações, metodologias, ferramentas e softwares utilizados, possibilitando sua reutilização e replicabilidade por outros pesquisadores. Além disso, também inclui o conceito de Ciência Cidadã, em que o engajamento da sociedade no processo científico é valorizado. Assim, pressupõe uma série de mudanças de paradigmas que buscam fazer com que a ciência seja um bem comum à sociedade.

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia é uma instituição de pesquisa comprometida e disseminadora da Ciência Aberta no Brasil. Neste sentido, ao longo dos anos tem desenvolvido ações, serviços e ferramentas para a organização e compartilhamento dos resultados de pesquisa e, mais recentemente, dos dados científicos.

Texto e arte: Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Publicado em Notícias

Em dezembro, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) assinaram um acordo de cooperação para a criação de um repositório de dados científicos, o Lattes Data.

Em entrevista, Bianca Amaro, coordenadora geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados (CGPC) do Ibict, explica sobre a importância da parceria para a Ciência Aberta no Brasil e detalha o funcionamento do repositório Lattes Data.

Confira!

Comunicação Social - Qual a importância da parceria entre CNPq e Ibict para a promoção da ciência aberta no Brasil e para o fortalecimento das redes em ciência e tecnologia?

Bianca Amaro: A parceria é um marco em vários aspectos. Primeiramente, é um marco para fortalecer a integração entre as entidades ligadas ao MCTIC. Para o CNPq, é um marco considerando que, como uma das principais agências de fomento à pesquisa do Brasil, estará sendo pioneiro em uma iniciativa de organização e de reutilização de dados. Para o Ibict, também é um marco esse acordo de cooperação porque, enquanto órgão federal responsável pela organização e disseminação da informação científica e tecnológica, ao desenvolver ações conjuntas com o CNPq, com o objetivo de organizar o que seria o núcleo básico de uma pesquisa científica, estará cumprindo com a sua missão de órgão provedor da infraestrutura de informação em ciência e tecnologia para o país.

Comunicação Social - Em relação às expectativas em curto, médio e longo prazo para as ações relacionadas ao Acordo de Cooperação, quais são?

Bianca Amaro: Em curto prazo, espera-se a criação e a implantação do repositório de dados do CNPq, que é o Lattes Data. Essa é a primeira ação do nosso foco de desenvolvimento. Em médio prazo, será a distribuição dessa tarefa de gestão dos conjuntos de dados entre as instituições de ensino e pesquisa. Em longo prazo, pretende-se a atuação conjunta em outras ações relacionadas com a Ciência Aberta. Ou seja, não somente o tratamento dos conjuntos de dados científicos, mas também tudo aquilo relacionado ao acesso aberto, à informação científica, e também todas as questões relacionadas à produção científica em si mesma. A parceria será muito importante porque, dessa forma, pouco a pouco nós vamos mudando o ciclo de como é encarado e vivido o ciclo da comunicação científica nos moldes dos países desenvolvidos.

Comunicação Social – Como o Lattes Data pode contribuir para a promoção da Ciência Aberta no Brasil?

Bianca Amaro: Ele é fundamental para a promoção da Ciência Aberta no Brasil, considerando que, assim, nós também estaremos alinhados com as iniciativas internacionais de organização da ciência em repositórios de dados abertos. Há que se considerar o peso que possui o CNPq no desenvolvimento da pesquisa brasileira. Então, a partir do momento em que uma agência nacional adota e coloca em prática essa política de Ciência Aberta, ela, de certa maneira, está organizando e falando para os seus pesquisadores como é que eles devem se comportar para maior intercâmbio de dados de pesquisa a fim de que as pesquisas possam ser não somente reproduzíveis, mas também para que a coleta daqueles dados possa ser reutilizada por outros pesquisadores em outros estudos, otimizando, assim, o tempo de desenvolvimento e obtenção de resultados, como também propiciando uma economia de recursos muito grande aplicada à pesquisa.

Comunicação Social - Poderia explicar o diferencial do Lattes Data? Qual a vantagem dele para os pesquisadores e os estudantes em geral?

Bianca Amaro: O diferencial do Lattes Data é que ele é uma iniciativa em nível nacional. Logo, nós estamos estabelecendo uma política para o governo federal, que, inclusive, tem trabalhado em dados abertos governamentais. Os dados científicos que são produzidos com recursos públicos podem ser encarados também como dados governamentais, uma vez que essas pesquisas existem porque o governo investiu recursos no desenvolvimento dessas ações.

Com o Lattes Data, por exemplo, um estudante pode fazer uma pesquisa desde a universidade ou até antes mesmo, e poderá reutilizar dados e gerar novas pesquisas com muita agilidade. Nós temos a vantagem de poder, tanto os estudantes como os pesquisadores, replicar aquela pesquisa. Isso promove o aumento de qualidade da pesquisa científica brasileira. E também representa uma economia porque, se eu já investi na coleta, não vou precisar mais investir nisso. E o mais importante de tudo, promove uma aceleração do desenvolvimento científico. Assim, as pesquisas podem ser realizadas de maneira mais célere, e todos poderão ser beneficiários dessas ações. É importante notar também que é uma resposta à sociedade. A sociedade vai ter a possibilidade de ver onde os recursos que são investidos na pesquisa estão sendo utilizados. É transparência e resposta à sociedade.

Comunicação Social - Qual o impacto futuro para as agências financiadoras de pesquisa com o Lattes Data?

Bianca Amaro: O impacto é imenso porque, a partir do momento em que o Lattes Data se torne a primeira iniciativa em nível federal de uma agência de fomento, passa a ser um modelo para as demais agências de fomento não só em nível federal, mas também municipal e estadual. O Brasil, portanto, vai conhecer seus dados de pesquisa. Todo esse movimento de Ciência Aberta não foi criado pelo Brasil. É um movimento mundial que está sendo capitaneado pelos países desenvolvidos. Então, qual é a situação que nós temos hoje? Atualmente, os nossos pesquisadores são incentivados a internacionalizar as suas pesquisas e estão tendo que depositar seus dados de pesquisa em repositórios institucionais, porque isso, hoje em dia, já é uma exigência internacionalmente.

Se um pesquisador quer publicar em várias revistas ou quer receber financiamentos, depois terá que depositar os dados referentes àquela pesquisa em um repositório de dados. Ocorre que esses dados estão sendo depositados lá fora e nós não temos conhecimento deles. E também será uma forma de “tirarmos os dados de pesquisa da gaveta do pesquisador”. Hoje em dia, o pesquisador desenvolve uma pesquisa, termina esse trabalho e aí se pergunta, mas onde estão os dados? Muitas vezes, esses dados ficam no computador pessoal do pesquisador e, na maior parte das vezes, se perdem e não podem mais ser acessados nem reutilizados.



Patrícia Osándon
Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) esteve presente no II Seminário de Acesso Aberto à Ciência Aberta em Moçambique. O evento ocorreu nos dias 13 e 14 de novembro, na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), em Maputo. Participaram representantes de instituições de Moçambique, Brasil, Portugal e Suécia.

O seminário debateu os princípios, políticas e práticas da Ciência Aberta em cada um dos países participantes, além de promover a troca de experiências e capacitações para a promoção da ciência aberta nas instituições de ensino superior e de pesquisa em Moçambique.

“Tivemos a oportunidade de discutir os vários aspetos da Ciência Aberta para que Moçambique possa começar a criar a infraestrutura necessária e disseminar os princípios da filosofia e da cultura de abertura de dados”, afirma Bianca Amaro, coordenadora geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Ibict.

Durante o evento, Bianca Amaro e Eloy Rodrigues (COAR - Confederation of Open Acccess Repositories) apresentaram o panorama da Ciência Aberta no mundo. Bianca também fez uma apresentação sobre a situação e as tendências do Acesso Aberto no Brasil, mostrando a trajetória do movimento e suas vertentes.

O coordenador do Laboratório de Metodologia de Tratamento e Disseminação da Informação do Ibict, Washington Segundo, apresentou um painel sobre Gestão de Dados de Investigação no Brasil. O especialista destacou as experiências do Portal Brasileiro de Publicações Científicas em Acesso Aberto (oasisbr) e a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), criados pelo instituto.  

Workshops

Além do seminário, o Ibict realizou dois workshops voltados para comunidade acadêmica e pesquisadores.

Washington Segundo e João Moreira (CONFOA, FCT Portugal e OPEN AIR) promoveram um workshop sobre sistemas de gestão da pesquisa científica. A atividade destacou como interoperar a produção científica com indicadores de avaliação e mensuração de dados”, conta Washington.

Bianca Amaro participou do Workshop Formação de Formadores, que busca replicar o conhecimento sobre ciência aberta para a comunidade científica e de pesquisa em Moçambique. Para ela, a realização das oficinas representou uma importante ação de disseminação do conhecimento. “A filosofia da Ciência Aberta vai ser multiplicada para várias instituições como universidades e institutos de pesquisa no país”.  

Bianca Amaro acrescenta que outro objetivo do seminário é enriquecer a cooperação entre Brasil e Moçambique, que já possuem uma aproximação para apoiar a criação e o fortalecimento de repositórios científicos no país africano.

Atualmente, Moçambique possui dois repositórios científicos, o SABER (http://www.saber.ac.mz/) e a base da Universidade Eduardo Mondlane (http://www.repositorio.uem.mz/).  De acordo com Washington Segundo, a maior dificuldade atual é a infraestrutura de base tecnológica do país. “Outro desafio é capacitar mais pessoas para cuidar dessas tarefas”.

Rede de repositórios dos países de língua portuguesa

Instituições dos países lusófonos buscam fortalecer a cooperação em políticas relacionadas com o Acesso Aberto ao conhecimento. Um dos objetivos é a criação de uma rede de repositórios da produção científica da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), formada por nove Estados-membros.

Segundo Bianca Amaro, o seminário fortaleceu a discussão sobre Ciência Aberta em Moçambique. “O país está construindo a infraestrutura de Ciência Aberta. Espero que a nossa presença tenha fortificado a importância do país caminhar nessa direção e se preparar para participar da construção do repositório dos países da CPLP”.  

 

Carolina Cunha

Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias

Nos dias 31 de outubro a 1 de novembro, foi realizada a reunião anual da LA Referencia, a rede latino-americana de repositórios de acesso aberto à ciência. O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) representa o Brasil na rede.

O encontro aconteceu na Universidade Nacional da Costa Rica, na cidade de Heredia.  O objetivo foi discutir questões relacionadas ao acesso aberto a conteúdo científico, divulgação e avaliação de produção intelectual de universidades, e ferramentas para construção de repositórios.

Participaram desta reunião representantes de organizações de Ciência e Tecnologia da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Panamá, Peru e Uruguai, além de representantes das organizações COAR, Lyrasis, Google Scholar, OpenAIRE, RedCLARA e Unesco.

"É muito importante que nos encontremos na Costa Rica. Pela participação ativa que o país tem em LA Referencia, e também porque é uma grande oportunidade de ter todos os países que fazem parte da rede juntos, trocando experiências, compromissos, para que a rede tenha maior projeção e que juntos tornemos a ciência da América Latina mais visível, não só em nossa região, mas em todo o mundo", diz Bianca Amaro, presidente de LA Referencia e coordenadora-geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Ibict.

Durante os quatro dias da reunião, foram realizados diversos workshops e mesas de trabalho. Em destaque, o Workshop Técnico OpenAIRE - LA Referencia; o Workshop DSpace 7. Lyrasis - LA Referencia - COAR e a Terceira reunião dos Consórcios LATAM e Caribe. A reunião do Conselho da LA Referencia também se realizou neste contexto.

O coordenador do Laboratório de Metodologias de Tratamento e Disseminação da Informação do Ibict, Washington Segundo, representou a instituição nas atividades técnicas. “Tratamos de vários temas como estatísticas de repositórios, curadoria de metadados e interoperabilidade entre sistemas”.  

O especialista destaca ainda a parceria do Ibict com a LA Referencia e a organização europeia OpenAIRE (a responsável pela infraestrutura europeia de acesso aberto e ciência aberta) no desenvolvimento de ferramentas de estatísticas para repositórios digitais. “Trabalhamos para criar um plugin de estatísticas para toda a rede. Vamos medir o quanto o conteúdo é utilizado e disseminado pelos portais. Um sistema central vai monitorar as estatísticas de uso dos recursos que são disseminados pela rede, do repositório local a outros nós”, conta Segundo.  

LYRASIS e LA Referencia anunciam acordo de cooperação

Durante a Reunião Anual da rede de repositórios, foi assinado um acordo de cooperação entre LYRASIS e a LA Referencia.  A LYRASIS é uma organização sem fins lucrativos que desenvolve e soluções de código aberto para bibliotecas, museus e comunidades de conhecimento. O objetivo da parceria é promover avanços nas tecnologias de código aberto na América Latina e apoiar programas para o acesso aberto à ciência.

Texto: Carolina Cunha, com informações da Universidade Nacional da Costa Rica e La referencia

Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias

 

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) recebeu na última sexta-feira (18), a reunião da Parceria pelo Governo Aberto (Open Government Partnership – OGP- em inglês) para tratar do 4º Plano de Ação Nacional para Governo Aberto.  Durante a reunião, foram discutidos os avanços e os próximos passos para o alcance dos marcos que compõem o compromisso 3 do plano.    

“O objetivo deste compromisso é estabelecer mecanismos e aprimorar instrumentos de governança para modos científicos no acesso à ciência aberta no Brasil”, conta Juliana Meireles Fortaleza, pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A Embrapa é coordenadora do compromisso 3. Além de realização de reuniões periódicas com instituições parceiras para acompanhamento dos marcos, a cada bimestre o coordenador elabora um relatório de status de execução.

A reunião contou com a participação de especialistas do governo e da sociedade civil. Participaram do encontro representantes do Ibict, da Embrapa, da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Open Knowledge Foundation Brasil, da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade de São Paulo (USP).

Os marcos do compromisso 3 envolvem a implantação de uma rede interinstitucional pela Ciência Aberta; a realização de diagnóstico nacional e internacional da Ciência Aberta; a definição de diretrizes e princípios para políticas institucionais de apoio à Ciência Aberta; a promoção de ações de sensibilização, participação e capacitação em Ciência Aberta; a proposição de padrões de interoperabilidade para repositórios de dados de pesquisa e a proposição de conjunto de indicadores para aferição da maturidade em Ciência Aberta.

Sobre o 4º Plano de Ação Brasileiro

O 4º Plano de Ação Nacional, no âmbito da Parceria para Governo Aberto (OGP), foi lançado no dia 29 de outubro de 2018, em Brasília, durante a 1ª Reunião Geral de Coordenadores de Compromisso.

O Planol é composto por 11 compromissos, os quais foram cocriados com o envolvimento de 88 instituições, com o intuito de fortalecer os princípios de transparência, participação cidadã, inovação, prestação de contas e responsabilização (accountability) que norteiam as ações da OGP.

A OGP foi lançada em 2011 com o objetivo de difundir e incentivar globalmente práticas governamentais relacionadas à transparência dos governos, ao acesso à informação pública, à participação social e ao fomento a inovações e tecnologias.

 

Carolina Cunha
Núcleo de Comunicação Social

Publicado em Notícias
Terça, 15 Outubro 2019 10:46

Clipping: terça - feira, 15/10/2019

Clipping:  terça - feira,  15/10/2019

 

SBRT na mídia:

Tecpar integra serviço gratuito de orientação a empreendedores - Como membro do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, o Tecpar coloca à disposição de empreendedores, micro e pequenos empresários seus especialistas em gestão da informação para responder as mais diversas dúvidas.

http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=104159&tit=Tecpar-integra-servico-gratuito-de-orientacao-a-empreendedores

 

Diversas:

Participe do mês Nacional da Ciência!

https://www.facebook.com/MCTIC/videos/1655167427948203/

 

Ministério da Ciência e Tecnologia pede à Economia liberação de R$ 180 milhões do orçamento do Sirius

https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2019/10/14/mctic-solicita-r-180-milhoes-ao-sirius-mas-nao-da-prazo-para-pagamento.ghtml

 

Weintraub propõe fundir Capes e CNPq para tirar controle da Ciência e Tecnologia

https://amazonasatual.com.br/weintraub-propoe-fundir-capes-e-cnpq-para-tirar-controle-da-ciencia-e-tecnologia/

 

Comissãode Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados  debate na quarta-feira, 16 de outubro, participação de bancos públicos e o fomento à ciência, tecnologia e inovação - O parlamentar entende que as instituições bancárias possuem papel importante no desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação, quando atuam como gestores dos Fundos Constitucionais de Financiamento. “Nesse momento de restrição orçamentária, torna-se mais relevante o somatório de forças que possam de alguma forma contribuir como desenvolvimento da ciência e tecnologia”, afirma.

https://moneytimes.com.br/comissao-debate-participacao-de-bancos-publicos-e-o-fomento-a-ciencia-tecnologia-e-inovacao/

 

Amazônia poderia ser 'Vale do Silício da biodiversidade', dizem pesquisadores - Para participantes do programa Ciência Aberta, investimento em infraestrutura poderia transformar a regiãoNota de Esclarecimento - 08/10/2019

https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/10/amazonia-poderia-ser-vale-do-silicio-da-biodiversidade-dizem-pesquisadores.shtml

 

Ifap lança edital para professor efetivo - O Instituto Federal do Amapá (Ifap) publicou o edital do concurso público para selecionar Professor do Ensino Básico Técnico e Tecnológico. São 14 vagas distribuídas entre as seguintes áreas de conhecimento: agroindústria, agrícola, educação especial e inclusiva, educação física, física, matemática, geografia, informática, gestão, veterinária, letras português, letras espanhol e publicidade. As inscrições devem ser feitas através do respectivo site no período de 21/10 a 14/11, com pagamento de taxa no valor de R$ 150,00.

https://chicoterra.com/2019/10/07/ifap-lanca-edital-para-professor-efetivo/

 

Metrôs da América Latina têm a maior presença de micróbios resistentes - O levantamento científico foi conduzido por um consórcio de cientistas da África, América, Ásia, Europa e Australásia, e publicado no BioRxiv, uma plataforma de acesso aberto na internet que permite aos estudiosos disponibilizar suas descobertas imediatamente à comunidade científica.

https://diariodotransporte.com.br/2019/10/05/metros-da-america-latina-tem-a-maior-presenca-de-microbios-resistentes/

 

Ronaldo Pilli é nomeado vice-presidente da FAPESP - Professor titular do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (IQ-Unicamp), Pilli já era membro do Conselho Superior da FAPESP. Ele ocupou os cargos de secretário da Divisão de Química Orgânica da Sociedade Brasileira de Química (SBQ), diretor do IQ-Unicamp, pró-reitor de Pesquisa da Unicamp e membro do Comitê de Assessoramento em Química do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

http://agencia.fapesp.br/ronaldo-pilli-e-nomeado-vice-presidente-da-fapesp/31666/

 

Publicado em Clipping C&T
Sexta, 11 Outubro 2019 16:02

Clipping 11/10/2019 - sexta-feira

Clipping:  sexta-feira,  11/10/2019

 

Ibict na mídia:

 

Principal base de dados internacional de ACV é atualizada e resultados espelham melhor as realidades da agropecuária brasileira

https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/47228056/principal-base-de-dados-internacional-de-acv-e-atualizada-e-resultados-espelham-melhor-as-realidades-da-agropecuaria-brasileira

 

Aplicativo FaceApp pode abrir porta para abusos com dados dos usuários

https://www.jb.com.br/ciencia_e_tecnologia/2019/07/1009957-aplicativo-faceapp-pode-abrir-porta-para-abusos-com-dados-dos-usuarios.html

 

Diversas

 

Marcos Pontes: ''Prefiro trabalhar a ficar cacarejando'' - Em entrevista, o ministro de Ciência e Tecnologia detalha a reformulação de toda a pasta a fim de colocar o país na rota da inteligência artificial, e aponta outros detalhes para os próximos anos de governo

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/10/09/interna_politica,795858/marcos-pontes-prefiro-trabalhar-a-ficar-cacarejando.shtml

 

Diversidade Sociocultural, Botânica Tropical e Biodiversidade e Evolução - SELEÇÕES ABERTAS | PÓS-GRADUAÇÃO -

https://www.museu-goeldi.br/noticias/diversidade-sociocultural-botanica-tropical-e-biodiversidade-e-evolucao-acesse-os-editais/view

 

Nobel de Física vai para estudo sobre evolução do universo e descoberta de exoplaneta

http://www.on.br/index.php/pt-br/component/content/article.html?id=580

 

Inpa abre seleção para ingresso no curso de Doutorado em Ciências de Florestas Tropicais

http://portal.inpa.gov.br/index.php/component/content/article?id=3610

 

Inpa apresenta tecnologias e lança Edital de Incubação de Empresas na Feira do Polo Digital

http://portal.inpa.gov.br/index.php/component/content/article?id=3614

 

Ministério da Cidadania e CNPq apoiam pesquisas

http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/7432644

 

RNP promove ações para celebrar o Mês de Segurança da Informação

https://www.rnp.br/noticias/rnp-promove-acoes-para-celebrar-o-mes-de-seguranca-da-informacao

 

CNPq e o cooperativismo

http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/7445014

 

Chamada CNPq/Ministério da Cidadania Nº 20/2019 - Desenvolvimento de Cursos de Capacitação para Agentes de Políticas Sociais

http://www.cnpq.br/web/guest/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_INSTANCE_0ZaM&filtro=abertas&detalha=chamadaDivulgada&desc=chamadas&idDivulgacao=9262

 

Menção Honrosa Rio Negro do Inpa condecorara personalidades científicas atuantes na Amazônia

http://portal.inpa.gov.br/index.php/component/content/article?id=3615

 

Publicado em Clipping C&T

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) de Portugal e a LA Referencia, a rede latino-americana de repositórios de acesso aberto à ciência, juntamente com a RedCLARA, a rede de P&E da América Latina, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para fortalecer a cooperação e o acesso à informação científica entre Portugal e os países membros da rede de repositórios.

O acordo foi celebrado em 16 de setembro na cidade do Porto, no âmbito do evento Open Science Fair, e assinado por Bianca Amaro, presidente da LA Referencia e coordenadora-geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Ibict, Luis Eliécer Cadenas Marín, diretor executivo da RedCLARA e Nuno Feixa Rodrigues, membro do Conselho Administrativo da FCT.

“Este MoU facilita a transferência de componentes do coletador da  LA Referencia e estabelece um marco para a colaboração e desenvolvimento conjuntos,  que permitirá a construção de plataformas comuns, distribuídas, não comerciais e com serviços de valor agregado. Hoje, com este acordo, são lançadas as bases para um relacionamento mais próximo que deve ir do mundo do Acesso Aberto à Ciência Aberta. Por fim, é um exemplo concreto de trabalho conjunto alinhado ao OpenAIRE da Europa, onde Portugal e a LA Referencia participam ”, destaca Bianca Amaro.

O memorando visa estabelecer critérios entre as duas entidades, a fim de desenvolver mecanismos de colaboração tecnológica na área de tecnologias para agregadores de repositórios de acesso aberto (como LA Referencia e RCAAP), e desenvolver a infraestrutura necessária para favorecer a Ciência Aberta. Por exemplo, entre outras áreas, visa facilitar elementos de transferência e desenvolvimento colaborativos com roteiros de componentes do software LA Referencia “LR Harvester” (sem fins comerciais) e define as diretrizes para a otimização e implementação dos serviços comuns que serão implementados na plataforma por meio de trabalho conjunto.

“Desde 2009 Portugal, através da FCT, e o Brasil, por meio do Ibict vêm realizando diferentes iniciativas conjuntas na área de Acesso Aberto e Ciência Aberta. A assinatura deste memorando resulta na expansão da cooperação para a América Latina, que, por um lado, aumentará o impacto e a visibilidade do conteúdo de acesso aberto e, por outro, aumentará a inovação e reduzirá os custos de desenvolvimento de software", afirma Nuno Feixa Rodrigues da FCT.

A cooperação beneficiará os países membros da LA Referencia, representados pelas seguintes organizações de Ciência e Tecnologia: Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia (Argentina); Ibict (Brasil); Colciencias (Colômbia); Conare (Costa Rica); Conicyt (Chile); Senescyt (Equador); Ministério da Educação, Ciência e Tecnologia (El Salvador); Conacyt (México); Concytec (Peru), ANII (Uruguai) e RedCLARA.

Desde a sua criação, a LA Referencia acompanha as estratégias nacionais de Acesso Aberto na América Latina, estabelecendo padrões de qualidade, promovendo a implementação de uma plataforma de busca e recuperação de documentos científicos, capacitando seus países membros e firmando acordos para potencializar a visibilidade da ciência regional.

Para Cecília Leite, diretora do Ibict, o acordo de cooperação vai contribuir para promover o acesso e a visibilidade da produção científica brasileira. “O Acordo de Cooperação reflete uma parceria muito positiva. Nós trabalhamos de forma conjunta no desenvolvimento de ferramentas tecnológicas, de arquitetura de informação e integração de banco de dados. A partir dessas parcerias, a produção científica brasileira em acesso aberto pode chegar na América Latina e Europa”.

Pioneiro no movimento de Acesso Aberto na América Latina, O Ibict trabalha na missão de criar e impulsionar repositórios de produção científica. Em 2002, o instituto criou a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), que integra os sistemas de informação de teses e dissertações existentes nas instituições de ensino e pesquisa do Brasil. Em 2006, foi criado o Oasisbr, portal que permite o acesso gratuito à produção científica brasileira de autores brasileiros vinculados às universidades e institutos de pesquisa.

O Ibict é parceiro da LA Referencia desde sua criação. Além de apoiar a estruturação da rede, o Ibict atuou no desenvolvimento de seu sistema de coleta. Em 2019, a LA Referencia elegeu Bianca Amaro, do Ibict, para um mandato de dois anos na presidência da rede.

Sobre a Fundação para a Ciência e Tecnologia de Portugal

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia é o órgão público nacional de Portugal que apoia pesquisas em ciência, tecnologia e inovação em todas as áreas do conhecimento. Entre os serviços desenvolvidos, está o portal RCAAP, que visa coletar, agregar e indexar o conteúdo científico em Acesso Aberto dos repositórios institucionais das entidades nacionais de ensino superior e outras organizações de P&D.

O portal RCAAP é um ponto único de pesquisa, descoberta, localização e acesso a milhares de documentos científicos e acadêmicos, incluindo artigos de revistas científicas, documentos de conferências, teses e dissertações, distribuídos por vários repositórios portugueses. Com a assinatura do acordo, o portal RCAAP e o mecanismo de busca LA Referencia poderão recuperar de suas plataformas o conteúdo dos repositórios institucionais coletados por cada nó agregador, melhorando assim a visibilidade da busca nas pesquisas acadêmicas.

 Com informações da rede LA Referencia

 

Publicado em Notícias
Fim do conteúdo da página