Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser! Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > MCTIC e Ibict lançam portal sobre ciência no combate à COVID-19
Início do conteúdo da página
Quarta, 06 Mai 2020 15:11

Miguel Arellano participa de Webinar da EBSCO sobre preservação de patrimônio cultural

Miguel Arellano participa de Webinar da EBSCO sobre preservação de patrimônio cultural Divulgação

Foi realizada nessa terça-feira (5), um Webinar da EBSCO Information Services (EBSCO), empresa que fornece conteúdos e tecnologias de pesquisa a bibliotecas e outras organizações. Miguel Arellano, coordenador da Rede Brasileira de Preservação Digital Serviços Cariniana (Ibict), participou da sessão aberta “Preservar e proteger nosso patrimônio cultural”, ao lado de Rui Francisco, diretor de engenharia da EBSCO para Europa, Israel & América Latina.

Para Arellano, o trabalho dos profissionais de informação é preservar, guardar e oferecer o acesso à informação. “O objetivo da preservação do patrimônio digital é garantir que a informação contida nele esteja sempre acessível ao público”, diz o coordenador da Rede Cariniana.

Durante o seminário, Arellano abordou a preservação de documentos digitais e as mais diversas questões desse assunto como os modelos de referência, técnicas, ferramentas, desafios e estratégias para instituições implementarem políticas de preservação digital. 

O especialista citou iniciativas de preservação digital no mundo. No Brasil, ele comentou as práticas da Rede Cariniana, a única rede nacional em países da América Latina. “A gente realiza ações de identificação, preservação, conhecimento e adoção de metodologias e técnicas de preservação digital”, disse. 

Criada pelo Ibict, a Rede Cariniana é uma rede de serviços de preservação digital de documentos eletrônicos brasileiros. O projeto de implantação da Rede foi elaborado baseando-se em uma infraestrutura descentralizada. Com o apoio da FINEP, em 2013, o Instituto aderiu ao Programa LOCKSS da Stanford University. O desenvolvimento de uma rede de serviços de preservação digital promove o compartilhamento de estudos e pesquisas, além da integração de conteúdos da memória institucional digital de forma consorciada e federada.

As ferramentas para armazenar documentos digitais podem ser diversas. Arellano citou a criação de bibliotecas digitais e repositórios como as mais comuns. “O momento atual é dos repositórios. Eles são serviços de informação, fazem um aglomerado de armazenamento e ampliam o acesso a essa informação. Eles são parte do patrimônio digital de instituições”. O especialista ressalta que não existe regra para definir o que é melhor: é a instituição quem decide o que é mais adequado para a estratégia.

Rui Francisco falou de preservação digital e apresentou as soluções da EBSCO para o armazenamento de arquivos e a criação de plataformas institucionais. “Bibliotecas devem garantir que o conhecimento e a informação produzida hoje cheguem às gerações futuras. O desafio é manter todas essas informações e disponibilizar o seu acesso, de diferentes formas e formatos, para os usuários finais”, acredita.

O diretor de engenharia da EBSCO também ressaltou a necessidade de armazenar documentos e conteúdos digitais de diferentes tipos. “Uma instituição pode ter uma biblioteca. Mas também pode preservar informação diversas como dados acadêmicos, páginas web, arquivos históricos, dados de pesquisa, fotografias, vídeos e arquivos de áudio, por exemplo”.

Carolina Cunha

Núcleo de Comunicação Social do Ibict

Última modificação em Quinta, 07 Mai 2020 12:43
Fim do conteúdo da página