Banner ACVCarinianaOasisbr

Sala de Imprensa

11/04/2014

Serviço de computação em nuvem da RNP entra em fase experimental

Rede Nacional de Ensino e Pesquisa irá oferecer infraestrutura para armazenamento de dados de pesquisadores, professores e alunos http://www.brasil.gov.br/ciencia-e-tecnologia/2014/04/servico-de-computacao-da-rnp-em-nuvem-entra-em-fase-experimental MCTI participa de feira internacional de tecnologia assistiva Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade são apresentadas 13ª Reatech, que começou nesta quinta (10), em SP

http://www.brasil.gov.br/ciencia-e-tecnologia/2014/04/mcti-participa-de-feira-internacional-de-tecnologia-assistiva

 

Recursos fracassam no financiamento da pesquisa

Em reportagem publicada hoje (9/4) no SciDev.Net, a jornalista Lisbeth Fog, correspondente na Colômbia, apresenta alguns exemplos de utilização de royalties oriundos da exploração de recursos naturais, sobretudo do petróleo, para financiamento público da ciência, tecnologia e inovação. O portal, que trata de ciência, tecnologia e meio ambiente nos países em desenvolvimento, destaca que no Brasil a luta da comunidade científica para garantir a aplicação dos royalties do pré-sal na CT&I não obteve sucesso até o momento.

http://www.sbpcnet.org.br/site/noticias/materias/detalhe.php?id=2675

 

Inscrições abertas para os programas de bolsas PIBIC-Af e PIBITI

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) divulga as Chamadas Públicas destinadas aos programas de bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas (PIBIC-Af), e Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI).

http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/1825604

 

CNPq avalia resultados das redes e projetos de pesquisa do PPBio e Geoma

Acontece na próxima semana, entre os dias 14 e 16 de abril, a primeira Reunião de Acompanhamento & Avaliação das Redes de Pesquisa, Monitoramento e Modelagem em Biodiversidade e Ecossistemas do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e daRede Temática de Pesquisa em Modelagem Ambiental da Amazônia (GEOMA).

http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/1825642

 

Reino Unido anuncia fundo de 9 milhões de libras para pesquisa no Brasil

Um total de 9 milhões de libras esterlinas será repassado a instituições brasileiras de pesquisa científica por meio do Fundo Newton no Brasil. O recurso proveniente do Reino Unido, será utilizado para fomento à pesquisa e inovação tecnológica em países emergentes.

http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5452:reino-unido-anuncia-fundo-de-9-milhoes-de-libras-para-pesquisa-no-brasil&catid=1:latest-news

 

Finep tem novo diretor de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

O sociólogo Rodrigo Fonseca foi nomeado diretor Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), na última quarta-feira (9). As mudanças na diretoria da Finep ocorreram em razão da saída do ex-diretor de Inovação da empresa João de Negri, para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), do qual se tornou secretário-executivo.

http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5450:finep-tem-novo-diretor-de-desenvolvimento-cientifico-e-tecnologico&catid=1:latest-news

 

Etiópia busca conhecer sistema de ciência e tecnologia adotado no Brasil

Representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) apresentaram um histórico da constituição do sistema de ciência e tecnologia e de educação do Brasil, em um encontro realizado na Etiópia, na última segunda-feira (7), com o vice-primeiro-ministro do país africano, Demeke Mekennen. A intenção da Etiópia é conhecer o sistema de inovação e a relação entre os setores científico e industrial do Brasil, de acordo com Mekennen.

http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5454:etiopia-busca-conhecer-sistema-de-ciencia-e-tecnologia-adotado-no-brasil&catid=144:noticias

 

Fapergs lança edital para interessados em executar projetos de pesquisa

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) lançou o edital nº 2/2014, destinado a pesquisadores doutores interessados em executar projetos de pesquisa em ciência, tecnologia ou inovação (CT&I). A chamada prevê a aplicação de recursos financeiros no valor total de R$ 4 milhões, provenientes do orçamento da instituição. As inscrições estão abertas até o dia 22 de maio.

http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5446:fapergs-lanca-edital-para-interessados-em-executar-projetos-de-pesquisa&catid=144:noticias]

 

Comissões no Senado irão debater o marco civil da internet

O Projeto de Lei (PL 21/2014), o marco civil da internet, será debatido em três reuniões de comissões conjuntas no Senado, nos dias 10, 15 e 22 de abril. As Comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) realizarão o debate.

http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5457:comissoes-no-senado-irao-debater-o-marco-civil-da-internet&catid=1:latest-news

 

FOLHA DE S. PAULO - SP - PODER

Renan ameaça investigar gestão de Campos em ministério de Lula Presidente do Senado diz que é preciso esclarecer gastos da Ciência e Tecnologia com marqueteiros Petistas querem acusar pasta de ter desviado recursos públicos; PSB nega irregularidades na gestão de Campos DE BRASÍLIA O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), revelou ontem um dos temas que os governistas devem usar na CPI da Petrobras para desgastar o ex-governador Eduardo Campos (PSB-PE), provável adversário de Dilma Rousseff em outubro. Ao defender que a comissão investigue assuntos não ligados à Petrobras, Renan disse que a CPI deve apurar a relação do Ministério da Ciência e Tecnologia com a empresa Ideia Digital, que faz campanhas eleitorais e marketing político para o PSB. "Ora, como é que o Congresso vai investigar a Petrobras, e eu acho que deve investigar sim, e não vai investigar o Metrô, o Porto de Suape, a corrupção que houve com dinheiro público no Ministério da Ciência e Tecnologia, que pagou inclusive marqueteiros nas campanhas eleitorais?", disse Renan. Campos foi ministro de Ciência e Tecnologia no governo Lula. O senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), líder do PSB no Senado, ocupou a Secretaria de Inclusão Social da pasta em 2003. Senadores do PT pretendem acusar o ministério de ter repassado de forma irregular recursos para a empresa no período em que a pasta foi comandada pelo PSB. No pedido de criação da CPI ampliada da Petrobras apresentado pelos governistas, um dos tópicos pede que a comissão de inquérito investigue o "superfaturamento de convênios e contratos" de "projetos na área de tecnologia da informação usando recursos da União". O tema foi descrito de forma genérica pelo PT justamente para tentar vinculá-lo a Campos. Os petistas ameaçam relembrar investigação da Polícia Federal, revelada no ano passado, que apontou suspeita de superfaturamento e desvios de verbas em programa de implantação de internet grátis por meio da Ideia Digital com verbas do Ministério da Ciência e Tecnologia. Na época da assinatura do convênio (2009), Campos não era mais ministro, mas a pasta estava sob controle do PSB. Segundo a apuração, o desvio de verbas teria sido usado para pagar Duda Mendonça e campanhas do PSB e PSD. Em nota, o PSB afirma que o Ministério da Ciência e Tecnologia, na gestão de Campos, não destinou nenhum recurso à empresa Ideia Digital. AGÊNCIA BRASIL - TEMPO REAL Capes exclui alunos sem fluência em inglês do Ciência sem Fronteiras Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil Edição: Stênio Ribeiro Estudantes do Ciência sem Fronteiras (CsF) terão que retornar ao Brasil, porque não conseguiram a nota miníma exigida no teste de proficiência (fluência) em inglês nas universidades em que estudariam. Segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ao todo 110 alunos foram excluídos do programa. Todos alunos de graduação, que tinham escolhido Portugal para o intercâmbio, e depois da suspensão de bolsas no país, puderam selecionar outro destino. Também segundo a autarquia, esses estudantes não poderão mais participar do programa na modalidade de graduação-sanduíche, da qual foram excluídos. As bolsas estavam distribuídas entre o Canadá (80) e a Austrália (30). Na época da suspensão das bolsas portuguesas, 9.691 candidatos estavam aptos a escolher outros destinos: Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, França, Alemanha, Itália e Irlanda. A intenção era estimular o aprendizado de outras línguas e evitar a facilidade do idioma português. Como os estudantes não tinham fluência nos idiomas, o governo ofececeu curso de seis meses. Após esse período, teriam que fazer uma prova de proficiência e atingir a nota exigida pela instituições em que estudariam, o que varia. Caso não conseguissem, deveriam voltar ao Brasil. De acordo com a Capes, 3.445 bolsistas permanecem no exterior para prosseguir as atividades acadêmicas. Além da prova, os estudantes que já estavam no exterior teriam que apresentar às instituições os documentos necessários para serem aceitos como alunos. Normalmente isso acontece enquanto ainda estão no Brasil, mas como não tinham fluência, precisariam consegui-la antes de tentar ingressar nas instituições. "Esses requisitos não são homogêneos, e variam de acordo com a área do curso, o histórico escolar do aluno e a proficiência no idioma", informa a Capes. Alguns dos 110 estudantes tiveram problemas também em outros quesitos. Os estudantes retornam sem realizar as atividades acadêmicas, ou seja, sem o reconhecimento do intercâmbio. Nas redes sociais o assunto gerou polêmica. Alguns criticam a alta exigência: "O nosso modelo de educação ensina o verbo to be do sexto ano ao final do ensino médio, e agora o governo cobra fluência? Já sabemos agora que os próximos a irem para o CsF serão as pessoas que teriam condições de ir por conta própria", diz usuário do Facebook. Outros acreditam que faltou estudo por parte dos participantes: "Estes são os estudantes que não tinham fluência no idioma e receberam um curso de inglês in loco, com imersão total na cultura da língua em que estão aprendendo... O governo, neste caso, não está cobrando fluência, e sim o aproveitamento mínimo exigido do curso de inglês caríssimo que eles receberam", diz outra usuária.